• T-
  • T
  • T+
CÓDIGO SINDICAL: 565.000.02779-7
Filiado à CUT Contracts

Justiça para quem? O que é democracia?

O que é democracia? Em ciência política, é a forma de governo em que o povo governa a si mesmo. Isso não significa que o povo, de fato, exerça o poder, que está sempre nas mãos de uma minoria; trata-se, na verdade, sobre o exercício do poder político. Ou seja, é a vontade popular que legitima os poderes constituídos. E por que a condenação de Lula afeta a democracia? Não pela contrariedade da população a este julgamento, mas porque a Justiça agiu de forma partidária, e não justa. Do lado de um governo que não foi eleito pelo povo, a Justiça tem agido com parcialidade, favorecendo aliados e criminalizando aqueles que representam, justamente, o povo.

Por inúmeras ocasiões, o juiz Sergio Moro demonstrou seu próprio partidarismo e já teve, inclusive, que se desculpar publicamente ao Superior Tribunal Federal (STF) por agir de forma político-partidária, trazendo polêmicas e constrangimentos desnecessários à então presidenta Dilma Roussef e também ao ex-presidente Lula. Conforme artigo do New York Times, Lula foi condenado por indícios que jamais seriam levados a sério num sistema judicial independente, como o dos Estados Unidos.

A evidência contra Lula no caso do tríplex se baseia no testemunho de um executivo condenado da OAS, José Aldemário Pinheiro Filho, que teve pena de prisão reduzida em troca da sua delação. A democracia também já havia sido surrada no caso do golpe disfarçado de impeachment. De acordo com milhares de economistas e juristas e mesmo o New York Times, embora alguns queiram acreditar que Dilma foi acusada de corrupção, na verdade, sua condenação teve base em uma prática contábil que temporariamente fez com que o déficit orçamentário federal fosse menor do que seria de outra maneira. Era algo comum, que outros presidentes e governadores faziam sem consequências e que o próprio promotor federal concluiu que não era um crime.

O que o Brasil perde com essa condenação? Não apenas a possibilidade de ter Lula como candidato, como também a oportunidade de votar num projeto de governo que sempre esteve alinhado com o povo. Conforme a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês), entre 2001 e 2012, o Brasil conseguiu reduzir a pobreza em 65% e a pobreza extrema em 75%. Os governos de esquerda sempre foram voltados para a população que, hoje, com Temer no poder, está vendo os direitos trabalhistas escorrer pelo ralo.

Destituir sem crime, julgar sem prova, condenar por convicção. Tudo isso abre precedentes para que qualquer pessoa seja penalizada por algo que não fez. Estamos cansados de ver notícias de rapazes mortos e presos pela polícia pelo simples fato de serem negros, pobres, sem ter cometido qualquer delito. Que oportunidade de defesa essas pessoas que são invisíveis para a sociedade terão? Nenhuma.

Ser contra a corrupção não é ser contra o Lula. Ser contra a corrupção é lutar por um país que julgue as pessoas com igualdade, isenção e imparcialidade. É batalhar para que a Justiça seja realmente justa e puna TODOS aqueles que forem comprovadamente corruptos. A História não perdoa os traidores. Avante, sempre!
 
 
 
Voltar
  • SEMAPI-RS
  • 0800 5174 06
    (51) 3287 7500
  • ouvidoriasemapi@gmail.com
  • Travessa Alexandrino de Alencar, 83, bairro Azenha - Porto Alegre/RS
  • Newsletter